Do Mundo

Não adotes os darmas vis e não vivas na negligência, mantendo tuas visões errôneas, para não aumentares o mundo.

Correto e sem ser negligente, o darma adota bons hábitos. Viver o darma é ser feliz, aqui neste mundo e nos próximos.

O darma adota bons hábitos e não adotes os maus hábitos. Viver o darma é ser feliz, aqui neste mundo e nos próximos.

Tal como uma bolha mirá-lo ou mirá-lo como miragem. Assim considerando o mundo, não te verá o Rei da Morte.

Eia, vejam este mundo: riquíssima carruagem onde os tolos, contudo, sofrem, mas não os sábios, sem amarras.

Quem antes era negligente e agora se fez diligente, iluminará este mundo, qual lua surgindo das nuvens.

Quem depois de uma má ação, compensá-la com uma boa, este mundo iluminará, qual lua surgindo das nuvens.

Este mundo tornou-se cego, poucos aqui veem com clareza. Como aves que escapam da rede, poucos são os que vão aos céus.

Nas sendas dos céus vão os cisnes, no ar milagrosamente vão. Os sábios deixam este mundo, vencidos Mara e seus exércitos.

De um homem de falsas palavras, capaz de transgredir o darma, desinteressado do além, nada há de mau que não se espere.

Os avaros não vão ao mundo dos deuses, os tolos, é claro, não aprovam dar. Mas os sábios, sim, alegremente o fazem e por isso serão felizes no além.

Melhor que ser o rei da Terra, que no céu poder ingressar, que em todos os mundos mandar, é o fruto de entrar na corrente.

Deixe um comentário